domingo, 22 de janeiro de 2012

DESGRAÇA POUCA É BOBAGEM

Olá amigos,

Ainda que esta história não esteja ligada ao MYSTIC, acho que é um bom "causo" (e verídico) para contar pra vocês, pois, de toda minha experiência com barcos, segundo meus amigos, esta é a passagem mais engraçada de tudo que já vivi no mar.

Era véspera do reveillon de 2007 para 2008 e eu possuía um Brasília 27-S que comprei em 2006 para reformar, diga-se de passagem, sem motor. Para aquele reveillon, um grupo de amigos, cada um com seu barco, havia combinado de passar a virada do ano na enseada do Sítio Forte, na Ilha Grande e eu estava muito empolgado com a idéia, afinal, tudo aquilo era novo pra mim e algo que eu acalentava há muito tempo.

O Tuiú, após a reforma
 Ao longo do ano de 2007, reformei o barco e, dentre outras coisas, comprei um motor de centro usado e o reformei completamente. Na sequência, contratei um "mulambo" (que nem vale a pena citar seu nome aqui) para instalar o dito cujo, mas o cara só fez M...

A moral da história, é que a obra só ficou pronta na véspera do Natal e eu precisava, desesperadamente, levar o barco para Angra.

Mal imaginava o que estava por vir.

Antes de continuar o relato, é importante registrar que sempre me achei um cara meio azarado e que as coisas materiais conspiram contra mim. Se é verdade ou não, cada um que tire a sua conclusão, mas que naquele reveillon a Lei de Murphy dormiu abraçada comigo, ahhh dormiu!!! (rs)

Naquele mês de dezembro, após o final da reforma, recrutei dois amigos para levar o barco comigo: O Eduardo Petersen e o Gustavo Sampaio. Como de costume, zarpamos durante a noite e a motor, já que nessa época do ano não venta muito de madrugada, na costa do Rio de Janeiro. Particularmente, estava feliz, pois os planos estavam se concretizando e estava rumando para o paraíso da Ilha Grande.

Já alta madrugada, durante meu quarto de leme, eu refletia que apesar de todos os pesares, o motor estava funcionando honestamente, apesar de todas cagadas que o Jamilson (pronto! Falei!!!) fez durante a instalação. Não se passaram 10 segundos e o giro caiu e o motor apagou. Pior! O Gustavo sai lá de dentro dizendo que o chão da minha cabine - aquele com tapetinho novo e todo limpinho, estava ensopado de óleo.

Resumindo, velejamos o resto da madrugada a 1 nó de velocidade. Já de manhã, de saco cheio de boiar, resolvemos tentar ligar o motor que, sem motivo aparente, voltou a funcionar. Completamos a viagem.

Praia da Tartaruga, base do Tuiú em Angra
Na semana seguinte, que já era a da virada, deixei minha esposa na praia, junto com o pessoal, enquanto fui para o barco (que estava numa poita em frente) dar uma limpeza geral. Enquanto eu limpava, um amigo que esquiava ali perto, deixou uma bóia dessas de esquiar amarrada a contrabordo do Tuiú.

Terminada a limpeza do interior, passei para o convés e, enquanto esfregava, achei uma antena de VHF. Imediatamente fiz sinal pro Zeca e gritei:

- Você esqueceu sua antena de VHF aqui!!!
- Não!!! A minha está aqui!!! - respondeu ele.

Olhei pra cima e bingo!!! Minha antena de VHF havia caído. Muito do pau da vida, peguei meu botinho zero km que estava estreando, para ir até a praia buscar minha esposa pra me ajudar a subir no mastro. Dei a primeira puxada na cordinha do motor, a segunda, terceira, décima e ele não pegou. Cuspindo marimbondos, tive que remar até a praia.

Na hora de retornar ao barco, cadê o remo? Sumiu!!! Ninguém havia passado por ali, a maré não subiu, ... sei lá!!! Voltamos para o barco com somente o outro remo do botinho e terminei o serviço.

Tuiú na Ilha de Itanhangá

Nossa programação era zarpar da Praia da Tartaruga no dia 29/12, pernoitar na Ilha de Itanhangá e chegar ao Sítio Forte no dia 30/12 e assim o fizemos. Partimos eu, minha esposa, o Gustavo e a namorada dele e fizemos um belo passeio pela região até a Ilha de Itanhangá.

Chegando lá, mortos de fome, chamei o restaurante dali no rádio e perguntei pelo cardápio. Tudo, até o mais simples dos bifinhos, custava uma verdadeira fortuna. Resolvemos, então, cozinhar a bordo. Ligamos o gás e começamos a esquentar uma água para fazer uma macarronada, mas acabou que não deu nem pra fazer um chá, pois o gás acabou e tivemos que comer mesmo foram sanduíches frios pelo resto do dia.

Na manhã seguinte, após uma noite pessimamente dormida por causa do balanço
 
Chegando no Bracuhy
causado pelas lanchas que passam  por ali em direção ao Porto Frade, partimos em direção ao Bracuhy, onde comprei um novo botijão de gás e almoçamos muito bem no restaurante Bowteco. Felizmente ali tudo deu certo.

Zarpampos logo após o almoço, com destino à Ilha Grande. O vento estava generoso e a velejada foi excelente até o canal entre a Ilha da Gipóia e o continente. Ali, devido ao vento contra e o grande movimento de lanchas, que levantavam muitas (e grandes) marolas, resolvemos ligar o motor. A idéia era desligá-lo assim que nos livrássemos daquela confusão.

Bem no meio do canal, o giro do motor deu uma diminuída e o Gustavo resolveu checar. Lembro-me da cara dele como se fosse hoje, quando botou a cara pra fora da cabine e falou:

-  Cara, seu motor tá parecendo um chafariz!

MOLD MD-10 11HP - A fonte de todo problema
 Não deu tempo nem de fazer cara de susto. O motor parou de vez e não havia Santo que o fizesse funcionar.

Deprimido e já querendo desistir de tudo, o Gustavo ainda me deu forças pra continuar:

- Lauro... O barco é à vela!!! Além do mais, ficaremos no Sítio Forte até o dia de ir embora, quando podemos voltar velejando, ou arrumamos um reboque com um dos amigos.

Após incontáveis bordos, finalmente chegamos ao vento limpo e, numa orça folgada, aproamos em direção ao nosso destino.

Como o barco velejava bem adernado, minha esposa me pediu para eu recolher um biquini que estava amarrado no guarda mancebo de sotavento e que poderia cair. Partidário da teoria de "uma mão para se segurar e outra para fazer o serviço", fui tentar pegar a roupa. Nem preciso dizer que, assim que soltei o biquini do guarda mancebo, uma marola mais saliente me desequilibrou, me enrolei com o pregador e lá se foi a peça pra dentro d'água. Ele ainda ficou boiando e por isso voltamos para buscá-lo, mas quando minhas mãos estavam a poucos metros do famigerado biquini, ele simplesmente afundou.

A velejada prosseguiu sem maiores incidentes (se é que dá pra dizer isso) e o fim de tarde já nos alcançava. Naqueles momentos de tranquilidade, aproveitei e telefonei para o André, que já estava no Sítio Forte, em uma poita e o avisei que, caso não achasse uma poita para o Tuiú, ficaria a contrabordo dele. O receio era que, caso entrasse um vento que arrastasse a âncora do Tuiú, não teria um motor para me safar. Então, ...

Continuando minha saga, na entrada do Sítio Forte o vento morreu de vez. Sem vento e sem motor, definitivamente não pretendia passar a noite por ali. Num surto de raiva, olhei praquele motorzinho pendurado no botinho que até então rebocava e pensei: "desgraçado, vai ser agora que você vai funcionar, senão te afundo aqui mesmo!!!" Pulei no botinho e comecei a puxar a cordinha freneticamente, sob o olhar perplexo de meus tripulantes. Após umas 15 puxadas, algumas gotas de suor perdidas e muitos xingamentos, meu querido Mercury 3.3 compreendeu os riscos que corria e resolveu colaborar.

Tuiuzinho - Palco da minha cena de Superman
 Não conseguindo puxar o barco com o botinho, não me restou outra alternativa senão empurrá-lo, mas a cena que se sucedeu era, no mínimo, ridícula. Como não dava pra encostar a proa do bote na estrutura que suporta a plataforma de popa do Tuiú, não me restou outra alternativa senão adotar uma posição meio que de superman, e com uma mão segurar a plataforma e com a outra timonear o motorzinho. Imaginem a cena? Chegando ao Sítio Forte lotado de barcos que nem super-homem?

Já era noite quando nos aproximamos do fundeio. Havia muitos barcos e não dava pra ver o Caiçara (barco do André), nem seria muito prudente ficar zanzando no meio da galera naquelas condições. Deixei o Tuiú a deriva ao largo e fui com o botinho procurar o Caiçara. Encontrando meu destino, encostei no bordo dele e fui explicar o ocorrido pro André. Não havia percebido que estava em frente à boca de saída da bomba de porão do barco dele. Não preciso nem dizer que, claro, a bomba armou exatamente naquele instante. O que levei no peito é impublicável.

Completamente "cagado", retornei para buscar o Tuiú. Entrando no fundeio, sob o olhar curioso, incrédulo e enojado de meus futuros vizinhos pelos próximos 3 dias, encontrei uma poita que acabara de ser liberada e ali amarrei o Tuiú. Já eram quase 23h e eu estava esgotado, com fome e profundamente decepcionado, por tudo que já havia acontecido. Meu amigo Gustavo novamente atuou como psicólogo e tratou de elevar meu moral, pois, segundo ele, já estávamos ali; era reveillon; nossos amigos estavam todos lá e agora era só diversão e que só deveria me preocupar com isso somente dali a 3 dias. Concordei.

Me limpei como deu e fui desembarcar o pessoal para ainda tentar jantar no Lelé (onde passaríamos a virada). Primeiro as damas. Levei as moças pra terra e quando retornei, o Gustavo estava com duas latinhas de cerveja estupidamente geladas. Ele pulou no bote e ao nos afastar do Tuiú, fizemos um brinde. Ele meteu a mão na latinha, abriu e tomou um merecido gole. Sem titubear, meti a mão na minha latinha e plact! O lacre saiu na minha mão! Meus olhos marejaram na hora. Olhei para o Gustavo e ele, tentando segurar o riso, não sabia o que me dizer.

Restaurante do Lelé, onde aconteceu o reveillon
Em terra, chamamos a garçonete e pedimos um peixe frito. Já era quase meia noite e ouvimos, lá de baixo, a bronca que o Lelé deu na menina:

- Desce lá e avisa que o restaurante já fechou!!!

O próprio Lelé desceu e nos avisou, mas, ao ouvir nossa história, se sensibilizou e fritou um peixino rápido pra gente.

O dia 31 transcorreu bem, apesar das sacanagens sofridas. Murphy somente reapareceu na hora da passagem.

Faltavam 15 minutos para a grande virada. Os comandantes já se alinhavam na mureta para a explosão de seus respectivos champagnes. Preocupado que algo desse errado, eu antecipei a retirada do lacre da minha garrafa. Puxei a rolha mais pra beiradinha do gargalo e dei uma leve sacudida. Na contagem regressiva, já não importava mais se estourasse a rolha antes, afinal, o que são 5 segundos de diferença?

- Cinco! - Eu sacudi freneticamente a garrafa.
- Quatro! - Continuei sacudindo e comecei a empurrar a rolha para fora.
- Três! Dois! Ummm! - Nada da rolha sair!!!
- EEEEEeeeeeeee!!!!!! Os fogos pipocavam! O champagne jorrava! Os casais se abraçavam e eu, já com a rolha na boca, tentando arrancá-la da garrafa.

Talvez uns 40 segundos depois, consegui arrancar a desgraçada. O champagne deu uma jorrada meio brocha e, sob a gargalhada geral, servi minha esposa.

Fotos? Esqueçam! Pois o computador onde salvei as provas de toda a minha desgraça deu pau e perdi tudo. (rs)

E foi assim que 2007 se foi.
O ano de 2008 começou mais promissor. Após alguns dias de sol, calor e uma estadia agradabilíssima, chegava a hora de ir embora. Voltando para a Praia da Tartaruga sendo rebocado pelo Eduardo Petersen, bem no meio do canal entre a Ilha Grande e o continente, não é que encontramos um remo idêntico ao que havíamos perdido? A peça era tão nova que parecia a nossa mesmo!

E assim acabou aquele inesquecível feriado. Aproveitei as férias e saquei o motor do barco e o reformei novamente. Ele nunca mais me deixou na mão.

Bons Ventos!!!




5 comentários:

  1. rsrsrs muito bom! espero q essa maré de azar tenha passado! Mas como seria a vida sem essa - otimas - experiências!
    elias alves
    Tyr

    ResponderExcluir
  2. Pois é Lauro, Murphy é implacável mesmo!! E sempre acorre nos veleiros e nas piores situações......estórias para contar. Gian

    ResponderExcluir
  3. Caraca estou feliz novamente rsrsrs. o q é um pé de galinha quebrado, um estai de proa arrebentado, um gerador q não funciona e uma pia entupida e ao desentupir quebrar o registro do casco !!!

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Lauro, o que que é isso... acho que Murphy é comediante, daqueles que pegam um espectador para descascar enquanto o resto da platéia não se aguenta de rir... dessa vez foi você....
    "Sem titubear, meti a mão na minha latinha e plact! O lacre saiu na minha mão! Meus olhos marejaram na hora". Cara quase morri de rir com essa frase... Parabéns pelo post ri muito uma delícia.

    Visite: http://veleirovivre.blogspot.com.br

    ResponderExcluir